Projeto Ecos e Reflexos América Latina. Começamos!

Projeto acontecerá também na Colômbia e Nicarágua, e irá construir um observatório para  acompanhar as violações dos direitos das crianças e adolescentes

Começou no último dia 8 de maio o Projeto Ecos e Reflexos América Latina. O objetivo do projeto é construir um observatório das violações dos direitos das crianças e adolescentes em dois territórios da cidade de São Paulo: Sapopemba e São Mateus. Pra isso, 15 jovens dessas comunidades vão integrar o projeto como pesquisadores e vão à campo coletar os dados. Projeto realizado no bojo do Núcleo de Cultura do Cedeca Sapopemba, desenvolvido em parceria com a plataforma Terre des Hommes e desenvolvido em mais dois países da América Latina, na Côlombia pela Coalico, e Nicarágua pela Codene, ambas instituições que lutam pelos direitos das crianças e adolescentes em seus respectivos países.

 

Serão 3 anos de trabalho em que os jovens passarão por 3 ciclos formativos. O objetivo dessas formações é para que construam ferramentas para ir ao campo, e assim, levantar dados e informações sobre as violações contra os direitos das crianças e adolescentes que ocorrem nos territórios de Sapopemba e São Mateus.

Uma das características que marcam esse processo de trabalho é a radicalidade da participação dos jovens. Todas as decisões são tomadas pelos jovens, como por exemplo, a decisão de como usar as verbas de alimentação, transporte etc. O estímulo à autonomia do grupo proporcionará que os resultados que surgirão da construção desse observatório, sejam de processo, sejam de produto final, tenha a identidade desses jovens, possibilitando autoestima e autonomia para suas vidas.

O primeiro ciclo formativo “Identidade do Grupo” já começou com a formação sobre “Integração e Cuidado” com o f convidado Danilo Ramos, que trouxe a importância da escuta para a constituição do grupo. Nossa segunda formação foi com a educadora convidada Thais Oliveira Silva que dentro da proposta de “Identidades” realizou uma série de dinâmicas com foco no cuidado coletivo e individual dos jovens.

As atividades formativas seguem até meados de agosto, até lá, outras atividades paralelas estarão sendo criadas pelos jovens, como a construção do marco de 30 anos da Convenção Latinoamericana pelos direitos das crianças e adolescentes, e a elaboração da metodologia do primeiro encontro dos jovens dos três países.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *